Ready for anything – Princípio 2 – Você só pode se sentir bem por não fazer alguma coisa quando você sabe o que não está fazendo

Olá leitores da Call Daniel, tudo bem? 
 
Estamos continuando o envio das 52 reflexões semanais do David Allen, traduzidas livremente do seu segundo livro, “Ready for anything”, onde ele traz textos para aprofundamento no GTD. Nossa querida Thais Godinho teve a brilhante ideia de compartilhar com o time da Call Daniel e nós estamos tomando a liberdade de enviar a cada semana para todos os assinantes do Blog “Dicas Call Daniel”.
 
readyFORanything.jpg
 
O tema desta semana traz uma frase icônica do David: você só pode se sentir bem por não fazer alguma coisa quando você sabe o que não está fazendo. Na verdade, o que o David diz é que o estresse vem dos acordos que quebramos conosco mesmos. Existem três maneiras de lidar com acordos no GTD: cancelando o acordo, mantendo o acordo ou o renegociando. Mas você não pode renegociar consigo mesmo os acordos que você esqueceu que fez. Nosso cérebro não tem noção de passado e futuro, por isso tudo o que está dentro dele fica vindo à tona a todo momento, nos lembrando do que precisamos ou queremos fazer. O que o David propõe é que a gente torne isso mais consciente, para aliviar a tensão.
 
Por que o tradicional “se organizar” não funciona? Existe um jargão mundial que retorna ao “preciso me organizar!” a cada ano novo ou sempre que a situação fica um pouco caótica. O David diz que as pessoas retornam a esse jargão óbvio porque elas já tiveram algum tipo de sucesso experimentando listas de coisas a fazer. E essas listas funcionam apenas até certo ponto porque, na verdade, o que elas são são tentativas de comprimir muitas funções diferentes em um único evento ou contexto. Se você tentar fazer com que algo seja muito simples, na verdade vai tornar tudo muito mais complexo e difícil.
 
E sim, o David sabe que muitas vezes as pessoas têm tanta coisa a se fazer, são tão colocadas contra a parede, que simplesmente “fazer uma lista” pode trazer um alívio momentâneo. Mas esses band-aids não funcionam como uma estratégia que se sustente. Veja por quê.
 
Quando as pessoas se sentam para fazer uma lista, o que elas na verdade estão buscando é tentar combinar todas as cinco fases que nós definimos para dominar o workflow: capturar, esclarecer, organizar, refletir e engajar. Elas estão, tudo-ao-mesmo-tempo-agora, querendo esvaziar (e aliviar) sua mente, decidindo o que cada coisa significa, colocando uma contra a outra para ver o que é mais importante e então escolhem o que fazer. No geral, quando fazemos isso nos sentimos um pouco recompensados, achando que estamos sendo produtivos, apenas por termos conseguido aliviar nossa confusão em um nível básico, quase rudimentar. Mas ficamos vulneráveis quando fazemos dessa forma, porque ainda deixamos coisas a serem capturadas, decisões a serem tomadas, e ainda temos o não-organizado, o não-revisado e não conseguimos executar porque subestimamos cada uma dessas atividades.
 
Depois de anos de pesquisa e trabalho de coaching, o David descobriu que essas etapas funcionam melhor quando feitas separadamente.
 
Você precisa capturar tudo o que estiver na sua mente primeiro, seja algo pequeno ou grande. Então você precisa pegar cada uma dessas coisas coletadas e se perguntar: “Demanda ação?”. Se sim, qual o resultado? Qual é a próxima ação? Aí você vai organizar o resultado desse pensamento em categorias apropriadas, que façam sentido para você. Quando isso acontecer, você estará pronto(a) para revisar todas as suas opções e finalmente confiar na escolha sobre o que deve executar antes, baseado(a) em critérios como tempo, contexto, nível de energia etc.
 
Hoje, faça um exercício de 5 minutos. Pegue um papel e caneta e comece a escrever tudo o que lhe vier em mente. Não analise ou categorize. Apenas escreva. Dê a si mesmo(a) a liberdade de fazer uma coisa de cada vez. Seja criativo(a), visionário(a), expresse-se como quiser. Capture tudo isso sem sentir a responsabilidade de “ter que” fazer alguma coisa a respeito. Então, quando você estiver pronto(a) para começar a executar, volte a cada uma dessas coisas que você capturou e tome decisões sobre o que elas significam, e se você vai se comprometer a agir sobre elas ou não. Depois de fazer isso, você poderá atuar como um gestor da sua própria vida e tomar decisões táticas (e conscientes) sobre o que é melhor fazer naquele momento.
 
Por sinal…
  • Quando foi a última vez que você esvaziou sua mente?
  • Você tem algumas coisas que sabe que precisa fazer mas tem evitado olhar?
  • Se você não tivesse que se preocupar com tudo aquilo que precisa fazer, qual seria a sua estratégia?
Bom dia!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *